20161016CongressoAlmada kA reposição das onze juntas de freguesia, corrigindo o que o governo e a maioria PSD/CDS impuseram contra a vontade das populações, é um objetivo que tem de ser alcançado durante o corrente mandato autárquico, para que não persistam mais quatro anos os efeitos negativos da «reforma» administrativa.
¤ 22-out-2016


Esta mensagem sobressaiu na intervenção de Teresa Coelho, presidente da Junta da União das Freguesias de Caparica e Trafaria, proferida em nome das freguesias do concelho, na sessão de encerramento do 2.º Congresso Almada «Pensar o futuro com participação e proximidade».
Insistindo em que se deve manter a exigência, a presidente sublinhou que, ou se consegue a reposição das onze juntas do concelho nas eleições de 2017, ou só existirão condições para que tal aconteça em 2021, perdendo-se quatro anos em que a proximidade do poder aos cidadãos sairá prejudicada e a vontade legítima da população não será respeitada.

A sessão de encerramento do 2.º Congresso Almada decorreu na manhã de 16 de outubro, no Complexo Municipal dos Desportos, no Feijó, onde os trabalhos do congresso decorreram desde dia 14.

O movimento associativo do concelho, incluindo representantes das coletividades e outras associações populares das freguesias de Caparica e Trafaria, mereceu um lugar de destaque neste último dia. Após uma concentração, em festa, junto ao Monumento ao Movimento Associativo, os ativistas e dirigentes desfilaram com faixas e bandeiras para o interior do pavilhão.
Augusto Flor, presidente da Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto, foi o primeiro a tomar a palavra, para saudar o congresso e valorizar a participação do movimento associativo.

Breves informações sobre a discussão nos painéis temáticos foram prestadas pelos vereadores da CMA que os moderaram. No dia 15, sábado, o debate em painéis foi estruturado em seis temas: O Futuro – Construir o futuro à nossa maneira; O Trabalho – Almada Local de Trabalho; Igualdade – Almada, juntos somos mais e melhores; Espaços Públicos – Os espaços das nossas vidas; Proximidade – Construir proximidades; e Identidade – Almada, a nossa marca.
Na sessão solene de encerramento do congresso intervieram: Teresa Coelho, presidente da Junta da União das Freguesias de Caparica e Trafaria, em nome das freguesias do concelho; Francisco Jesus, vice-presidente do Conselho Diretivo da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE); Alfredo Monteiro, vice-presidente do Conselho Diretivo da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP); e Joaquim Judas, presidente da Câmara Municipal de Almada.

20161016CongressoAlmada-TeresaCoelho- Intervenção de Teresa Coelho, presidente da Junta da União das Freguesias de Caparica e Trafaria, em nome das freguesias do concelho

 

A sessão de abertura do congresso teve lugar na noite de sexta-feira, 14 de outubro, e nela intervieram: José Gonçalves, vereador da CM Almada; José Manuel Maia, presidente da Assembleia Municipal de Almada; Jorge Rocha, presidente da Associação de Coletividades do Concelho de Almada; Margarida Fonseca, diretora da Escola Secundária Cacilhas-Tejo, em representação da comunidade educativa de Almada; Anabela Falcão, presidente da direção da AIPICA (Associação de Iniciativas Populares para a Infância do Concelho de Almada); Ricardo Louçã, presidente da Junta da União das Freguesias de Almada, Cova da Piedade, Pragal e Cacilhas, em representação das freguesias do concelho; e Joaquim Judas, presidente da CM Almada.

 

20161014Expo40anosPoderLocalNo programa do congresso integrou-se a inauguração, ao fim da tarde de sexta-feira, da exposição «40 Anos do Poder Local Democrático: Património do Povo», no Museu da Cidade, na Cova da Piedade.
A exposição permanece até ao fim deste ano, de terça-feira a sábado, das 10 às 13 e das 14 às 18 horas.

- Notícia da JF Laranjeiro e Feijó

 

Uma primeira fase do congresso decorreu de 13 de setembro a 8 de outubro, com sessões públicas de participação em todas as freguesias.
A 20 de setembro, a sessão pública «Construir o futuro à nossa maneira» decorreu no Clube Recreativo União Raposense, na Caparica. Na Capela do antigo Presídio da Trafaria, dia 23 de setembro, realizou-se a sessão pública «Construir igualdade de género».

As sessões nas freguesias, como se refere no Editorial do Boletim Municipal de Outubro, registaram uma média de 120 participantes, ou seja, mais de mil pessoas «contribuiram ativamente para a definição do futuro que, com participação e proximidade, queremos para Almada».

- Notícia no portal municipal
- Dossiê no Boletim Municipal de Outubro

 

Algumas fotos do 2.º Congresso Almada